Comprei um carro de leilão. Consigo fazer seguro deste carro?

Muitas pessoas perguntam se carros comprados em leilão, ou recuperados de financiamento, podem adquirir seguro.

A resposta é sim, mas precisa irá passar pelo mesmo processo de avaliação de um seguro normal, onde a seguradora vai avaliar as condições do veiculo, motivo de ser leiloado, entre outras questões.


As ofertas em cima de um carro de leilão são muito atraentes, no entanto, é sempre prudente ter cuidado nessa escolha. Um dos grandes problemas e a falta de informação oficial sobre o leilão, na hora de comprar um carro e não ser avisado. Esses pontos são colocados a tona quando se vai regularizar o veiculo e muita das vezes quando for fazer o seguro.

Um leilão pode ser feito por financeiras, seguradoras, Detran e mais, desde que autorizados pela Prefeitura Municipal.

Outro ponto a que o consumidor deve ficar atento é que, depois de adquirir um carro leiloado, ele não poderá reclamar indenização em relação ao estado do veículo que está adquirindo.

Por exemplo: se você adquirir um carro com perda total, que não consegue mais rodar, terá obtido apenas sucata.

Se você não verificou essa informação antes de arrematar o bem, ficará apenas com o prejuízo.


Quais são os tipos de veículos encontrados em leilão?


Existem algumas categorias básicas de veículos encontrados em um leilão.

Para ter certeza de que o seu carro estará apto a um seguro, é interessante que você conheça essas categorias e tenha atenção às características do bem adquirido.


Veículo recuperado de financiamento

O veículo recuperado de financiamento consegue ser segurado de modo muito mais fácil do que os demais tipos de carro.

As probabilidades de ele ser aceito pelas seguradoras são bem maiores, pois, basicamente, o usuário só o perdeu porque deixou de pagar as parcelas do financiamento.

Nesses casos, os autos costumam ser apreendidos em perfeito estado, apenas como um modo de quitação da dívida com a financeira.

Vale dizer, porém, que esse tipo de veículo normalmente é aceito com percentuais que variam entre 75% e 95% do valor de tabela do carro.

Ou seja, em caso de perda total, o segurado não receberá o valor total da tabela FIPE.

Na verdade, receberá apenas uma porcentagem dele.


Veículos recuperados de sinistros de médio ou grande porte


Nesses casos, é quase certo de que você conseguirá apenas uma proteção para roubo e furto do carro, sem coberturas para colisão.

Mesmo que você conserte esses danos, os sinistros prévios aumentarão o risco de novos sinistros.

De qualquer modo, é importante ressaltar que cada caso é um caso.

Por isso, o ideal é que a corretora solicite uma análise completa da seguradora.


Carros que tiveram sinistros leves

Nesses casos, é importante que a seguradora avalie a apólice e analise o histórico do sinistro.

É bem provável que o valor coberto seja menor que o da tabela FIPE, mas será mais simples obter o seguro.

Sinistros leves não afetam tanto o risco de novos sinistros.


Veículo constando como “Sinistro Recuperado”

Como dito no tópico anterior, os sinistros leves não costumam ter tanta influência na hora de segurar um carro comprado em leilão.

Porém, um carro com sinistro recuperado pode não obter seguro.

Nessa situação, a indicação de sinistro recuperado significa que o sinistro foi, pelo menos, de porte médio.

Logo, eles foram mais graves, e seu conserto pode ter criado maior chance sinistro.

Afinal, uma peça que já quebrou tem mais chances de quebrar de novo.

As chances de contratação de um seguro nesses casos são bem baixas.


Veículo constando como “Sinistro Indenização”

Novamente, as chances de aceitação desse veículo por um seguro total serão remotas.

Isso porque, um sinistro total é aquele em que os danos ao veículo são maiores do que 75% do custo do carro.

Muitas vezes, após esse tipo de ocorrência o auto não consegue nem mais rodar.

As seguradoras não protegem “sucata”.


Chassi remarcado

Existe sim a possibilidade de aceitação no seguro de carro com chassi remarcado, mas desde que a desvalorização da tabela FIPE fique entre 10 e 30%.

A remarcação do chassi acontece, por exemplo, quando o carro sofreu um acidente que danificou a marcação.

Também é feita após a alteração por roubo ou furto, e corrosão pelo tempo.


Como é possível fazer um seguro de carro de leilão?

Para ter mais chances de encontrar uma seguradora que aceite seu carro, é interessante que você siga algumas dicas. Acompanhe.

  • Escolha um corretor de seguros que tenha parceria com diversas seguradoras. Ele poderá avaliar várias cotações de uma só vez, podendo encontrar uma empresa apta mais facilmente;

  • Peça um orçamento com variação do percentual da FIPE incluso. Assim você aumenta a chance de aceitação, pois as seguradoras saberão que poderão pagar 90%, 75% em caso de perda total;

  • Solicite variações de cotação para o seguro, com cobertura compreensiva (seguro total) e apenas para incêndio e roubo. Com coberturas variadas e, principalmente, mais básicas, as empresas tendem a aceitar o risco do carro leiloado mais facilmente.

Por que carro de leilão faz seguro com valor da tabela FIPE reduzido?

Talvez você esteja se perguntando porque as seguradoras, muitas vezes, não respeitam os 100% da tabela FIPE.

Isso acontece porque o valor de mercado do veículo não é mais o mesmo, após um sinistro e/ou leilão.

Não é justo que um veículo comprado com descontos de 30% ou 40% na tabela FIPE seja assegurado com indenizações de 100% do valor de um carro novo.


A ideia foi trazer um pouco mais de como funciona o seguro no caso do carro ser de leilão, quais a variações, como cada tipo tem aceitação.


Ficou com dúvida se seu carro consegue fazer seguro? Entre em contato com a gente que vamos fazer uma analise para você.


28 visualizações0 comentário